segunda-feira, 24 de março de 2008

As várias formas de se amar

Amar, em português, pode ser usado desde para dizer que você gosta muito de morangos, como na frase "Eu amo morangos!" até para designar o amor que sentimos por outra pessoa ou por Deus. É sempre a mesma palavra: amar.

Já para os gregos, as várias formas de se amar eram descritas por palavras distintas, como storge, eros, philia ou ágape. Havia mais tipos, mas vou me deter nestes 4. Vamos ver um pouco mais sobre cada um deles:


* Storge: amor de família. É o primeiro amor que aprendemos, pois o sentimos pela nossa mãe. Também o sentimos com relação aos nossos demais parentes, fazendo com que os amemos apesar de seus defeitos. Wendell Broom(1) o chamou de "amor pela tia Maria". Trata-se do amor ou lealdade baseado num laço de intimidade, expressando além do amor aos parentes, aquele devotado a um governante ou nação.


* Eros: atração física. Envolve atração física e desejo sexual. É um sentimento forte, que leva as pessoas a agirem de forma inconseqüente e que, dotado de egoísmo, procura a satisfação do desejo pessoal. Wendell Broom chamou eros de "amor bolo de morango". Eu quero o bolo. Eu o quero tanto, que se conseguir, vou consumi-lo sem ao menos pensar como o bolo se sente. É exatamente assim que algumas pessoas tratam seus semelhantes.


* Philia: amor de amigo. É a palavra que mais se aproxima do sentido atual que empregamos para amor. Significa afeição e sentimentos calorosos por algo ou alguém. Também caracteriza o amor fraternal, que Wendell Brom chama de "amor time de boliche" para designar a troca mútua e o compartilhamento da relação. Um círculo de amigos baseia-se numa apreciação recíproca.


* Ágape: amor altuísta. Se baseia em um ato de vontade, uma decisão. Wendell Broom o chama "amor-chuva-sobre-justos-e-injustos". É a generosidade, o amor do bom samaritano, da madre Teresa de Calcutá, da irmã Dulce e de tantos altuístas que passaram pela humanidade. É o amor incondicional. É o único que ama a pessoa independente de quem ela é ou do que possa lhe oferecer.


Conclusão:


Ágape é uma escolha que independe de parentesco, amizade ou atração sexual.


Pratiquemos mais ágape!

Ou no mínimo, mais philia!




(1)Wendell Broom é professor associado da Universidade Cristã de Abilene. Foi citado pelas explicações que deu sobre os significados das palavras gregas.

Fontes:

http://www.biblecourses.com/po_lessons/PO_200505_01.pdf


http://recantodasletras.uol.com.br/poesias/32663

http://br.answers.yahoo.com/question/index?qid=20071112103733AA5A2D7

2 comentários:

Fernando Cury "o Pandão" disse...

o menina!!! muito bacana esse artigo... história, ligüística e amor, tudo junto.

Bacana! e bjos procê.

Lady Lilith disse...

Lindo post!